Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

De cozinhar por mais!

Receitas de comer e cozinhar por mais!

Bolo de maçã e ovo (ou bolo crepe de maçã)

Eu gosto muito de doces com maça: adoro tartes de maçã, apfelstrudel, bolos de maçã, crepes de maçã. E este bolo, um dos meus preferidos, é uma junção destas duas coisas: é um bolo mas tem um toque a crepe, devido à guarnição que leva já depois de estar no forno.

Este não é um bolo para todos: normalmente fica com uma textura recozida, devido à humidade das maçãs, e o sabor a ovo no cimo também não é agradável a todos os palatos. Para além disso, não o aconselho para uma festa ou cerimónia: não é, por regra, um bolo bonito - fica escangalhado, um bocado torto. Mas o sabor compensa imenso e é tão rápido e fácil de fazer que se torna o doce perfeito para aqueles dias em que não há muito tempo nem vontade mas o estômago grita por algo delicioso. Como é só juntar e misturar ingredientes, faço-o numa liquidificadora.

Não se assustem se o bolo não crescer muito: ele é mesmo assim. E a dose é pequena, não usem formas muito largas. Se duplicarem a receita, coloquem só um pouco mais de óleo de coco e não o dobro, senão fica demasiado gorduroso - e a guarnição, a menos que mudem de forma, também não precisa de ser duplicada.

 

Ingredientes:

5 colheres de sopa de farinha

4 colheres de sopa de açúcar

2 colheres de sopa de óleo de coco (podem trocar por óleo normal, mas posso garantir que o resultado final não sabe a coco)

4 colheres de sopa de leite

3 ovo

2 maças (o tipo é à vossa escolha - a quantidade depende também do tamanho da forma)

1 colher de chá de fermento

1 pitada de sal

 

Guarnição

1 ovo

2 colheres de sopa de açúcar

30 gr de manteiga

 

Modo de preparação:

Pré-aquecer o forno a 180º. Misturar os ingredientes secos: a farinha, o açúcar, o sal e o fermento. Bater os ovos inteiros e ir juntando o preparado anterior (não deitar tudo de uma vez). Depois, juntar o leite e o óleo de coco. Verter a massa para uma forma untada e polvilhada e colocar por cima as maças, cortadas em fatias finas (eu, normalmente, faço o bolo numa forma de bolo inglês, o que faz com que não leve muitas maçãs; se fizerem numa forma redonda, terão provavelmente de aumentar o número de maçãs. A disposição com que as põem é indiferente, mas eu gosto de as encastelar). Colocar no forno durante cerca de meia hora/40 minutos - quando o palito estiver seco e o bolo dourado, é quando está pronto a sair.

Depois do bolo estar no forno, preparar a guarnição. Derreter a manteiga, deixa-la arrefecer um pouco, e depois juntar o ovo e o açúcar. Mexer bem. Cerca de 15 minutos antes do bolo sair do forno (quando já estiver mais crescido mas o topo ainda não totalmente cozido) deitar esta mistura sobre o topo. 

 

IMG_8705.JPG

 

Copos de granola com iogurte

 

Breakfast Granola Cups

Publicado por Proper Tasty em Quinta-feira, 3 de Março de 2016

Peixe ao sal

Uma das refeições que mais adoro fazer é peixe ao sal! Há muita gente que não conhece esta forma de fazer peixe (eu, pelo menos, só a via em restaurantes mais caros e com peixes de grande porte), mas é óptima forma de cozinhar porque o peixe não perde a sua "água natural", fica suculento e não absorve todos aqueles molhos terríveis à base de óleos que lhes pomos quando os assamos no forno. Para além do mais, é uma receita barata (tirando o preço do peixe, que vai variar consoante o que escolherem), faz-se super rápido e dá para servir quantas pessoas quiserem, consoante o tamanho do peixe.

Eu costumo fazer com douradas e robalos - quando maior o peixe for, menor será o risco de ele "secar". Ainda assim, eu faço muitas vezes um peixe pequeno para comer sozinha, e ele sai igualmente suculento e saboroso! Tenham o cuidado de referir na peixaria que o peixe vai ser feito ao sal, para não lhe retirarem as escapas, o que vai permitir que ele não absorva o sal - a única coisa que lhe vão fazer vai ser retirar as tripas.

 

Ingredientes (para um peixe para uma só pessoa):

- peixe (robalo, dourada, sargo...)

- 700g de sal marinho

- 2 claras

- 4 raminhos de salsa (sem caule)

- 2 dentes de alho

- 1 folha de louro

- azeite q.b.

 

Preparação

Começar por pré-aquecer o forno a 200º. Lavar a salsa e a folha de louro e retirar a pele dos dentes de alho e esmaga-los com a ajuda de uma faca. Dobrar a salsa ao meio e coloca-la dentro do peixe (no local onde estavam antes as estranhas); tenham o cuidado de as empurrar para baixo e não se limitem a pô-las na parte que está aberta, de modo a "cobrir toda a área". Acrescentem depois a folha de louro e os dentes de alho. O peixe está assim pronto.

Colocar o sal numa tigela e acrescentar as claras - não ao mesmo tempo, mas uma a uma, para ir vendo a textura do sal. Misturem com as mãos. A textura ideal é ficar como areia molhada, notando-se alguma consistência entre os grãos mas que não fiquem totalmente colados pela viscosidade da clara. Acrescentar sal se a mistura ficar demasiado viscosa. 

Num tabuleiro, fazer uma cama de sal - só com o tamanho suficiente para "deitar" o nosso peixe, não é preciso cobrir o tabuleiro todo em partes onde o nosso peixe nunca chegará. A camada de baixo não precisa de ser muito espessa - gastem a maior parte do sal na parte superior. Deitem o peixe sobre a cama e deitem uns fios de azeite por cima dele (fazer este passo só caso o peixe seja pequeno, de modo a não secar - quando é grande, não é necessário). Por fim, cubram-no com o resto do sal e "apertem-no" bem em direção ao peixe, de forma a que este fique bem "acomodado" na cama de sal. De frisar que a cabeça não precisa de estar coberta.

Levar ao forno e esperar que a camada de sal fique dourada (deverá demorar mais ao menos meia hora). Retirar do forno. A cama de sal deverá estar muito dura e a melhor forma de a retirar é bater inicialmente com um martelo de cozinha para partir a casca em pedaços grandes e só depois é que se deve ajudar com uma espátula ou faca. O resultado desejado é que o peixe saia exatamente como entrou e que, já no prato, a pele saia sem qualquer dificuldade (pode acontecer sair quando o estamos a tirar do sal, o que não tem mal - tenham apenas cuidado em não deixar muito sal ir para cima da parte desprotegida, de modo a não salgar o peixe).

Eu gosto de comer sem nada, mas podem acompanhar com batata cozinha e um fio de azeite.

Raw brownies

Esta foi uma receita que a minha cunhada trouxe de Inglaterra e que eu a-do-ro! É saudável, doce, achocolatada e super simples de fazer! Há algo melhor que isto? Para além do mais - e um bocadinho inspirado na onda que tenho começado a seguir - não tem açúcares adicionados e é feito à base de um fruto, a tâmara (que eu desconhecia), que dizem ser super saudável - adicionado às nozes, que também têm uma série de propriedades espetaculares.

 

Fica o vídeo da receita:

 

 

No fundo, é isto:

Ingredientes:

2 copos de tâmaras (dependendo se são de casca dura ou não, aconselho a tirar, para não ficar com pedaços mais duros);

1 copo de nozes;

2/3 colheres de sopa de cacau em pó (pode ser magro!), dependendo se gostam deles mais fortes ou não;

2 colheres de sopa de Maple Syrup (facultativo).

 

Preparação:

Tirar a casca e os caroços das tâmaras. Misturar tudo no rôbot de cozinha. Forrar uma forma pequena com papel vegetal. Colocar a mistura lá dentro e amassar, até ficar bem pressionado e achatado, cobrindo toda a superfície da forma (e ficando com uma altura de um dedo ou pouco mais, tal como os brownies típicos). Colocar no frigorífico durante uma/duas horas. Retirar, cortar em quadrados e servir.

Chamuças de ovos moles

Ingredientes para 12 chamuças:

Para os ovos moles

- 4 gemas
- 120 gr de açúcar
- 100 ml de água

Para as chamuças

- meio pacote de massa filo 

- (pelo menos) 70 gr de manteiga

Começar por fazer os ovos moles. Colocar num tacho o açúcar e água e mexer com uma colher para dissolver o açúcar. Levar ao lume até atingir o ponto pérola. Atenção: tentar não mexer a calda enquanto está ao lume.
Retirar o tacho do lume e deixar arrefecer 5-10 minutos, apenas o suficiente para as gemas não cozerem quando forem adicionadas mas não deixando que o açúcar solidifique. Juntar, pouco a pouco, as gemas (previamente batidas) e ir mexendo. Colocar toda a mistura de novo no fogão em lume brando para engrossar, mexendo sempre até formar uma estrada. Não deixar ferver! Conservar no frigorífico com película aderente colada à superfície até estar completamente frio.

Quando os ovos moles já estiverem frios, começar a fazer as chamuças. Primeiro, derreter a manteiga em banho-maria ou no microondas e pré-aquecer o forno a 200º. Depois de desenrolar a massa filo com cuidado, tirar uma folha e pincelar toda a superfície com manteiga; "colar" logo outra folha por cima. Cortar as folhas em 4 tiras de igual largura (cortar na horizontal, de modo a que a tira seja o mais comprida possível). Pegar no doce de ovos e colocar na ponta da tira e depois começar a dobrar em triângulos, para ficar em forma de chamuça. Não encher demasiado a chamuça, senão ela "rebenta" no forno e o recheio sai. Repetir o processo até os ovos moles terminarem.

Colocar as chamuças no forno em cima de papel vegetal. Tirar quando já estiverem douradas.

 

ATENÇÃO: ESTE É O MELHOR DOCE DE TODO O SEMPRE!!!

10423832_10203825265089196_1330948466374215171_n.j

Que farinha usar?

Muitas vezes chegamos ao supermercado com "farinha" escrito na lista de compras e pegamos logo na primeira que nos aparece à frente - ou a mais barata, nos dias que correm, que a "Branca de Neve" já deve ter tido dias mais felizes.

Mas devemos, de facto, fazer bolos com uma farinha qualquer? Quais as diferenças entre a farinha 55, 65 e a farinha fina? Dúvidas a tirar com o vídeo abaixo.

 

 

Conversões de medida

Já todos tivemos o drama de ver uma receita em que as medidas estão em "copos". Mal qual copo, tendo em conta que normalmente temos 3 tipos de copos em casa, todos diferentes uns dos outros? E quando dizem "chávenas de chá"? A juntar aos copos, temos mais uma dezena delas!

Para ajudar nesta trapalhada, descobri duas infografias giras e jeitosas (porque não pendurar dois quadros na cozinha?) que ajudam nesta confusão das medidas. Assim, em vez de copos, temos gramas, que dá obviamente muito mais jeito.

 

enhanced-20164-1421100562-16.png

 

(clicar para ver melhor) 

 

Os pontos do açúcar

Com a minha paixão por doçaria a crescer à medida que o tempo passa, torna-se imperativo saber um bocadinho mais sobre a cozinha tradicional e não me limitar a reproduzir receitas fáceis. Já dei muitas vezes de caras com receitas que tinham o ponto de pérola e pontos de estrada e tive de ir a correr ter com a minha mãe saber o que era, como se fazia, e todas essas coisas que as mães sabem. 

E embora goste muito que a minha mãe me ensine, encontrei hoje um vídeo super esclarecedor sobre os 10 pontos do açúcar e como os encontrar a "olho nu" (ou seja, sem termómetro). Partilho para quem, como eu, adora fazer doçaria e estas dicas possam ser úteis!

 

 

Tarte de amêndoa

A tarte de amêndoa é o meu ex-líbris - um dia comi uma tarte deste género num restaurante e apaixonei-me de imediato. Soube que tinha de a fazer em casa e devora-la o mais brevemente possível. E assim foi - "roubei" a receita a uma das minhas tias e, daí para a frente, foi sempre a comer (e comi tanto que acabei por enjoar). Ainda assim, sei que é das melhores coisinhas que faço e sempre que há festa é-me encomendada uma, onde passado pouco tempo de estar na mesa só ficam migalhas para contar a história. Espero que gostem!

 

 

 

Ingredientes:

Base

200g de farinha

150g de açúcar

125g de margarina/manteiga

1 ovo

 

Creme

150g/200g de amêndoas

125g de margarina/manteiga

125g de açúcar

4 colheres de sopa de leite

 

Preparação:

Pré-aquecer o forno a 180º. Preparar a massa primeiro, batendo primeiro o ovo com o açúcar, até ficar um creme esbranquiçado. Juntar depois a farinha e a margarina derretida e misturar bem até ficar uma massa espessa. Untar uma tarteira (melhor aquelas que sai o fundo) com manteiga e farinha e espalhar a massa homogeneamente. Pica-la com um garfo para que não cresça quando for ao forno. Levar ao ao forno e retirar quando começar a ficar dourada.

Para a preparação do creme: num tacho pequeno, em lume brando/médio, derreter a margarina e depois juntar o açúcar, o leite e as amêndoas (a quantidade de amêndoa vai com o gosto de cada um, pode varia sensivelmente entre os 150g e os 200g). Deixar tudo derreter e ir misturando de vez em quando até deixar engrossar levemente (nunca engrossa muito), durante uns 10 a 15 minutos. 

Quando a massa já estiver pronta, retira-la do forno, verter o creme das amêndoas e levar de novo ao forno até ficar dourada.

 

A "cozinheira"

foto do autor

Links

Blog da autora:

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.